function click() { if (event.button==2||event.button==3) { oncontextmenu='return false'; } } document.onmousedown=click document.oncontextmenu = new Function("return false;")

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

... reticências ... da paixão ...

... depois de alcançar teu zênite, 
Resultado de imagem para reticências da paixãona oralidade deste carinho, absorvo
todo teu licor, todo o teu vinho,
saciando-nos de tanta entrega e prazer ...

... escalo, entre beijos, amassos, abraços e carinhos,
teu marmóreo e adorado corpo de fêmea maturada,
até chegar a tua ofegante, árida e sequiosa boca para
num beijo, acoplado e desesperado, 
compactarmos nossos corpos, num imantado abraço,
partilhando torrentes de heréticos segredos inconfessáveis ... que ...
... num segundo momento de prazer, fez-me
inundar teus interiores, em ato contínuo,
até o amanhecer ...


                                   J R Messias

Asas dos Versos: É Vida que Segue...

Mais uma poetisa de "primeira água".  Pureza e espontaneidade insuperáveis ...    Asas dos Versos: É Vida que Segue...: [...] E a vida segue adiante Sem mera necessidade De muito compreendê-la Ou desejar complicá-la Sentindo cada gosto de lágrimas ...

Digitais da Alma: P R E M I S S A

Mais uma poetisa de mãos alma e coração repletos de sensibilidade.                 Digitais da Alma: P R E M I S S A: Uma taça de desejos Traz em si O silêncio das trincas Que sonham acontecer. A embriagues do vinho Aprisionada na purez...

sábado, 13 de fevereiro de 2016

Whisper

Resultado de imagem para sussurrosÉs como um talismã,
que arranca o mau augúrio 
deste infausto e desencontrado amor,
com o qual, presenteaste-me 
no apanágio deste cinquentenário viver.

Por isso, deleito-me nesta paixão 
que subjaz em uma ternura secreta,
que queima, contínua e ocultamente,
nos escaninhos de meu coração,
codificada, de tal forma que só
tu decifras em meus gestos,
meu sorriso e em meu olhar. 



                      J R Messias

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Massiva

Resultado de imagem para massivo amorNa infausta procura de ti,
logro encontrar, sempre,
tuas mãos ansiosas a atiçar
meu  subjugado desejo,
já sem senso algum do quão fora da lei
é este meu exacerbado amor.
Assim sendo, atiro-me, libidinosamente,
na areia movediça de teu corpo e de teus carinhos,
que me sugam até o último suspiro de minha
indefesa busca de saciar tanto ardor,
que diligentemente retribuis,
inundando-me com o poder maciço de tua ternura
madura, segura e sempre oportuna.


                                      J R Messias
 

Mídi@s na Educação: Poesia Operação Limpeza - Waly Salomão

Mídi@s na Educação: Poesia Operação Limpeza - Waly Salomão

Conexão Oriente: Costumes Árabes

Conexão Oriente: Costumes Árabes: Costumes Árabes O Oriente sempre me encantou! Seus costumes e cultura sempre mexeram comigo! Desde que eu visitei o Oriente pela primei...

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Sim ao sin

Resultado de imagem para pecado


Como um fauno faminto,
farejo tua carne fremente
e trêmula,
num desejo inesgotável
de saciar-me de "nacos"
generosos de teu abundante 
relevo, e
               entre toques, afagos, abraços, amassos e beijos aflitos,
liberar de ti,
aromas inconfessáveis,
sabores memoráveis 
 e profanos sussurros em meus ouvidos.


                            J R Messias 

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Pergamina

Resultado de imagem para pergaminhos árabes


Contrito, numa oração,
vicejando blasfêmias, 
pelas quais procuro                                           compilar elegias,
forjadas a partir dos metamórficos
contornos de lembranças
das quais busco retirar o fel
deste meu compulsivo querer,
que drena meu pranto,
plagia meu conformismo
e teima em conduzir-me  
ao cadafalso desta saudade pelágica.


                       J R Messias

Virtualidades.

Qual o sentido de uma paixão virtual ?
A lei do mínimo esforço?
O fio da navalha entre a ordem e a desordem ?
Uma (re) configuração de uma nova forma de amar?

É o ficar a toa, na inspiração da paixão "malandra",
pra lá e pra cá.
Ideologia de um discurso, sentimento, dialogado,
monolítico, bifásico.
Acalentado na frieza da solidão, de uma insensível
virtualidade bipolar que aproxima e distancia,
quem se ama e quem se espera.

É a saudade e a ilusão de uma emoção,
preenchida por palavras, na sofreguidão dos desejos,
virtuais ? sim mas autênticos, essenciais e vitais.

                                           J.R. Messias

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Inconcluso


Estas estradas em que caminhei
contam histórias que presenciei
marcam as distância que percorri
e projetam as léguas que não completei.

Em suas margens deixei sonhos
presenciei encontros, chorei frustrações
abandonei ilusões ....

Dela eu trago em meu corpo
a poeira do tempo, marcada em minha pele
as chagas parcialmente cicatrizadas
de dores que não mereci (?)
frutos, desvios, pontes o fim




                      J R Messias

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Peregrino

Resultado de imagem para peregrino

Trago minha boca e meu corpo, castos e sequiosos pelos teus, comboiados por um ardor e por uma represada torrente de carinhos a açoitar meus desejos escancarados, que em nenhum outro ninho encontrará o aconchego, a suavidade de teu carinho e o calor de teu corpo amigo Corpo com tantas histórias pra contar corpo com tantas marcas do tempo que anseio partilhar e que sonho em  acarinhar. Fazer deste templo em carne e osso, amor, desejo e paixão, a fonte de minha peregrinações de minhas promessas e de minha doce perdição.


J R Messias

Soberanos



Pelos que tocam e beijam, sorrateiros, teu corpo nu, lábios sedentos de teu beijo mais profano e sagrado desse amor maduro. Na carícia de tuas ancas que dançam, balançam ao sabor do desejo maciço e infindável de tuas coxas trêmulas diante de um gozo que se anuncia insano.....intenso...imenso tua boca, via mais expressa do mais forte orgasmo.


J R Messias

Poetry for you








Decifrar-te é como ler o destino na borra de café no fundo da xícara ou como 
 tentar traduzir um "Finnegans Wake" de Joyce. Desafio que diligentemente 
 arrisco-me a propor, cada vez que mergulho neste teu mundo sereno, convulso e agnóstico em apnéia quase suicida mas que, são e salvo, quando retorno a tona capitalizo o prazer de gozar de tua lira poética, de tua prosa, repletas dessa tua abençoada impaciência e intransigência, que se revela, por trás de tudo, com frescor de um bom, maturado *Cabernet blanc, *sorvido a beira de uma cálida lareira*,* muito bem acompanhado.


J R Messias