function click() { if (event.button==2||event.button==3) { oncontextmenu='return false'; } } document.onmousedown=click document.oncontextmenu = new Function("return false;")

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Sem título








O surgir de um novo tempo
 irá trazer bons presságios e alento
 a uma humanidade já esgotada
 de tanto conflito e sofrimento.
                       Então, que traga  em seus presságios,                            as promessas renovadas de saberes
                                e maior consciência                                              dos seus limites e temores.
Que seja capaz de brindar
a tão sofrida humanidade,
com a harmonia fraternal,
em um mundo ainda tão
amoral e fragmentado
de fronteiras hostis, de crenças 
radicalizadas e de ódios e preconceitos.
Que esta nova geração,
crie não só o homem novo,
mas também, o genuíno homo sapiens 
que traga ao seio da vida,
paz, harmonia e consolo.


              J. R. Messias


Imagem: muitapazpravoce.blogspot.com

Claket


Como se fosse um projeto de um filme,
sonhamos construir este amor,
na forma de um romântico longa metragem,
onde o roteiro eternizaria todo o magnetismo amoroso
traduzido num roteiro de paixão, sedução e alegria.
Protagonistas, nós interpretaríamos a saga deste amor proibido
e nos efeitos especiais, esconderíamos todo o repertório
Felliniano, para que escondidos dos olhos alheios,
ficasse este enredo em  3D, high definition e douby stereo.
Mas o que era pra ser um longa,
num curta, acabou se transformando
em vez de HD, acabou rodado 
em VGA de baixa resolução,
em vez de uma película romântica de um Capra,
uma atmosfera angustiante de um Bergman
onde, protagonistas, transformamos esta paixão.
em interpretações tipicas de meros canastrões.


                               J. R. Messias


Imagem: www.flickr.com

Sacré Coeur.


Tua imagem exata,
discorre aos meus olhos
como uma retrô película de celuloide
antiga, desgastada e manchada,
mas que, no coração, ainda muito amada.
O som de tua voz,
permeia meus pensamentos
como um antigo vinil,
com seus chiados, ruídos e falhas
mas, que aos meus ouvidos, 
soa como uma suave sinfonia.
A lembrança de tua corpórea maciez,
preenche minhas noites com aquela saudade,
que só morria, com o calor de teus ternos abraços,
que só satisfazia com o tenro sabor de teus lábios
que só se completava com o confuso e profuso
trançar de nossas pernas, braços e desejos.
Tua maturidade, física e emocional,
trouxe a minha paixão indômita,
uma inolvidável necessidade de reacender 
momentos quase improváveis de uma prática amorosa,
mas repleta de uma ansiedade adestrada,
num desejo religiosamente promíscuo,
de fazer de ti, minha virgem idolatrada, 
a ser deflorada pela penetrante fé
deste amor sagrado e penitente.


J. R. Messias



segunda-feira, 23 de junho de 2014

Por caridade


Esmolar, apenas pela consciência
é imitação, é ser mais um na multidão
Quando feita só de coração, 
soa como "fiz minha boa ação do dia"
Esmola, caridade ou solidariedade 
só funcionam quando existe o desejo da partilha,
quando o olhar de quem recebe, transmite
todo o agradecimento, que palavra alguma, traduziria.
Uma sensação estranha e maravilhosa 
sentida somente quando, coração e mente,
estão em sintonia.


                         J. R. Messias


Imagem: www.soqueriaentender.com.br

domingo, 22 de junho de 2014

Amor passageiro.

Ela é o que eu chamaria de amor passageiro, não só por que é fugaz e efêmero mas por que é um amor que pede passagem e paga a passagem.

Seu olhar e beleza, divido com uma coletividade, as vezes absorta e em outras, atenta as nossas sutis  demonstrações  de desejo, ao roçar de nossos corpos, a um  abraço mais ajustado, devido ao aperto nos  corredores lotados, numa demonstração urgente e tensa, de uma paixão temporária, diária e vespertina, onde dividimos na coletividade de tantos diferentes coletivos, aquilo que a pressa, a rotina e o estresse diário, retira de nossos desejos.


É pena que na fugacidade desse amor apertado, tenhamos, ou eu ou ela, que descermos na próxima parada de ônibus, pondo um fim a essa relação pra lá de passageira, mas pra cá de saborosa.

Ps.  Eu sempre esqueço de perguntar o nome dela....


                                   J. R. Messias



                                Imagens: google.

Linimento


A paixão impactante e  descontrolada,
deixa na epiderme da aura
tantas marcas, feridas e escoriações,
que só um grande amor,  com
sua candura pureza e calma, é capaz
de curar todas as chagas deixadas por esta
paixão.
O poder curativo e asséptico do amor
só não é suficiente, para dar ao nosso coração,
a imunização, proteção e segurança
contra os descaminhos que ele sempre irá  sofrer
ao se apaixonar e, novamente, 
suas dores e chagas, vierem, enfim,
nossos sentimentos, solapar.


J. R. Messias


Imagem: www.recantodasletras.com.br

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Intimidades.


A placides do teu olhar,
encobre essa vivacidade
que apenas teu regrado sorriso
insiste em adornar nossos poucos
momentos de amar.
Tua serenidade Tibetana,
preenche os interstícios
dessa saudade lusitana,
drenada por um dilúvio
de desejos incontidos,
quando partilhamos as horas 
de nosso pervertidos carinhos.
Esta precipitação de paixões,
encharca nossos corpos e
 quase nos afogam em uma 
apneia desdita de emoções,
inundando nossos caminhos
com as marcas indeléveis
de um sentimento complexo
como uma arte cubista 
e simples como essa 
paixão tão intimista.



    J. R. Messias



segunda-feira, 16 de junho de 2014

Sufrágio


Nas canções que escrevo,
onde expresso com desvelo
as vezes, dor e monotonia
e em outras, amor e alegria,
tento, no pragmatismo de minh'alma,
 encontra onde termina  a dor  e começa o amor.
Numa prévia de sentimentos,
coletados por toda uma vida,
a dor lidera, com folga atrevida
mas quando a alegria se instala
ela é clamorosamente  infinda.
Submeto, amor e dor
a um sufrágio sentimental,
um plebiscito entre duas emoções
distintas mas repletas de sensações,
cujo escrutínio espelhará o perfil
de sentimentos  relevantes que caibam
no momento de nossa existência,
quando a dor pode ser mais decisiva
ou quando o amor, de forma nada sutil,
nos arrasta de volta a vida.


J. R. Messias



                                                    Imagem : talubrinandoescritoschapadadoarapari.blogspot.com


sábado, 14 de junho de 2014

Jardins


Na fluidez de nossa conversa
em que jogamos fora os maus sentimentos
e recolhemos todas os pressentimentos de carícias
guardadas e esperadas por tanto tempo,
trago meu coração repleto de uma paixão
            que de tão enternecida, que não se contém em meu peito             de tanta emoção.
Trago, também, a paz de um espírito apaziguado pelos anos,
adestrado pelo tempo inglório e imaculado pelo
cabedal imenso de carinhos que por tanto tempo guardei
para ofertar a ti, em espírito presente e corpo "caliente".
Não vejo o momento de em teus braços aninhar-me,
em teu calor aquecer-me e em tua boca , matar toda a sede
dessa aridez resoluta em que vivi a arrastar  correntes de dor ,
a cavar trincheiras contra a solidão e a construir jardins
repletos de jasmins para que um , enfim, partilhasse contigo   
a impaciência desse amor incontido.


                          J. R. Messias






terça-feira, 10 de junho de 2014

Civil



Esse esmerado e desesperado,                         senso de amor, que por ela sinto,
emudece e enternece                                       qualquer sentido ou definição,
que somente os amantes podem inferir         na  vivência perene da paixão
Pois a argamassa que consolida                   os tijolos desse sentimento,
compõem-se de  um agregado  de                                             atitudes e plenitudes do coração,
Onde sentimentos plastificados e                                           
verdades criptografadas,
calcinadas pelo tempo, 
não mais se ajustam
a amores calejados e 
a vidas  permeadas de solidão.


                               J. R. Messias

                                           Imagem : www.brandingmagazine.com

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Carícia


A beleza de teu ser feminino
agreste como a brisa da manhã
exata como os traços de um arabesco
ardente como uma febre terçã.

Teus traços curvilíneos
teu perfume floral
aos meus sentimentos, incute
desejos de um amor outonal

Carnal desejo de envolver-te
corpóreo afã de amar-te
carinhoso sonho de aconchegar-te
envolvente na ânsia de regar-te.


J. R. Messias


Estradas



Estradas  que andei
contam histórias
que presenciei,
medem distâncias
que percorri e
projetam léguas,
que não completei

Suas margens, encontrei,
sonhos, abandonos, ilusões.
meu corpo, poeira acumulou,
frutos colheu,
pontes atravessou.

Meus desejos, nelas, 
desvios encontrou,
a umas sucumbiu 
outras, rejeitou.

Mas ainda teima em prosseguir,
por caminhos 
que parecem não acabar,
mas que ao longe vislumbro,
o momento de, ao seu fim,
finalmente descansar.


          J. R. Messias


Seccionado.


Restaram, das muitas paixões,
marcas intrusas, escoriações,
que imprimem, ao corpo,
as provas de uma ineficácia
amorosa e sentimental,
de um outrora, subjugado
a lembranças oxidadas
que corroem  o espírito,
deste sentimento já desgastado e
tão diverso em suas rupturas
e tão impregnado de amarguras.



J. R. Messias


segunda-feira, 2 de junho de 2014

Acolhido


Que amor anônimo é este 
que roça as fibras de meu coração
que provoca sentimentos recolhidos
no segregado compartimento de minha paixão.

Que amor oculto é este
que assombra de prazeres  minh'alma 
que invade descaradamente meus pensamentos
e que, subversivamente, a sofreguidão em mim instaura.

Que amor apócrifo é este 
que se instala, se apossa de  meu coração
inunda-me com o cálido prazer de sua candura
e que faz de minha sobrepujada vida um belo amanhecer.



J. R. Messias